30 nov 2020

9 cuidados necessários antes de comprar um imóvel

A pandemia do novo coronavírus fez com que os brasileiros olhassem com mais carinho para dentro de suas casas. O isolamento social levou muitas famílias e descobrirem um novo universo em seu próprio lar, com home office organizado, estudo a distância para as crianças, além de muitas brincadeiras para distrair e tirar da mente o fato de não poderem sair de casa para passear ou socializar.

Nesse cenário uma pesquisa realizada pela Câmara Brasileira da Construção Civil (CBIC), em parceria com a Brain Inteligência Estratégica, em 118 municípios do país, mostrou que as vendas de imóveis do primeiro trimestre de 2020 registraram aumento de 26,7% com relação ao mesmo período do ano passado.

Com isso percebe-se um aquecimento do mercado imobiliário brasileiro que tende a crescer, isso porque segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil apresenta um aumento populacional que já gera falta de 7,7 milhões de residências.

Para atender essa demanda a Caixa Econômica Federal reduziu as taxas de juros para financiamentos de imóveis com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e saldos devedores atualizados pela Taxa Referencial (TR). Com a pandemia vários outros bancos facilitaram o acesso a empréstimos e financiamentos.

O aumento de procura por moradia, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, vai gerar uma demanda de 14,5 milhões de novas moradias para 2025, o que também incentiva os investidores imobiliários que voltam a ver nos imóveis uma possibilidade de investimento rentável, principalmente com a taxa Selic mais baixa da história, a 2%.

Para ajudar pessoas que pretendem investir em um imóvel seja para morar ou investir desenvolvemos este conteúdo com cuidados necessários antes de comprar um imóvel novo ou usado.

PARA IMÓVEIS NOVOS

1. Se atente para a importância da Assembleia Geral de Instalação para imóveis comprados na planta: nela os moradores e o síndico eleito realizam uma inspeção predial, que deve ser feita com base no Memorial Descritivo do Imóvel, para haver uma comparação da promessa com a entrega.

2. Avalie o registro do imóvel: para imóveis na planta ele ainda não vai existir. O que pode ser analisado é se foi realizado o registro da incorporação ao iniciarem a obra, que já é a primeira etapa para a concessão do Habite-se.

3. Avaliação jurídica preventiva da incorporadora ou construtora: para o imóvel na planta ele deve realizar uma análise sobre a situação financeira da construtora e do incorporador para ver se existe algum sinal de alerta!

PARA IMÓVEIS USADOS

1. Pesquise antes de investir em um imóvel: consulte documentos importantes do condomínio como o Memorial Descritivo do Imóvel (que formaliza os materiais e o padrão de qualidade do empreendimento), Plano de Manutenção Preventiva, Balancete de contas para analisar a saúde financeira do condomínio, Livro de Ocorrências para descobrir problemas com barulho ou brigas de vizinhos, atas das Assembléias de Condomínios e cheque se existem passivos trabalhistas ou ações que podem gerar um aumento na taxa condominial.

2. Questione: faça perguntas ao síndico do condomínio antes de fechar o negócio. Garanta que o condomínio tem uma assessoria jurídica e de engenharia, bem como um processo de prestação de contas organizado.

3. Cuidado com as dívidas de condomínio ou multas da unidade: a dívida de condomínio é propter rem, o que quer dizer que é uma dívida da unidade. Se você comprar um apartamento com cotas condominiais em atraso ou se o apartamento foi multado por alguma razão e essa multa não foi quitada, a dívida é do comprador e vai entrar em uma discussão jurídica.

4. Exija o Habite-se: o Habite-se é um documento oficial da prefeitura que autoriza o início da utilização de construções ou edificações para a moradia. Quando você compra um imóvel usado é bom garantir que ele já possui o Habite-se.

5. Faça uma auditoria profissional: contrate um arquiteto ou engenheiro, especializado em perícia para avaliar a unidade. Os proprietários muitas vezes escondem os vícios do imóvel e o comprador só descobre o problema depois de estar morando no local, muitas vezes perdendo o prazo para a rescisão contratual.

6. Faça uma avaliação jurídica preventiva: contrate um advogado e antes de assinar o contrato peça a ele uma análise jurídica do imóvel. Para isso ele vai pedir a matrícula atualizada do imóvel para conferir de existe alguma averbação, penhora ou ônus, além de fazer uma busca por todas as certidões do imóvel.

Para mais informações sobre o cenário atual do mercado imobiliário escute o podcast abaixo com a participação de Thais Conceição da Providência Síndicos.